//
Últimas reportagens
Homenagem ao autor

Po: Daniela Xie*

“O Pagador de Promessas”, uma peça teatral de Dias Gomes, retrata uma historia de promessas. O herói chama-se Zé do Burro, um homem muito ingênuo que tem um pequeno pedaço de terra no nordeste do Brasil e um burro que é o seu melhor amigo. Esse pano do fundo estranho indica a tristeza da historia. Quando o burro apanha uma doença, Zé faz uma promessa à mãe de Santo do Candomblé: se seu burro recuperar, promete dividir sua terra igualmente entre os mais pobres e carregar uma cruz da sua terra até à Igreja de Santa Bárbara em Salvador. Mal o burro se recupera, Zé começa a cumprir a promessa feita e carrega uma pesada cruz pelo longo percurso, acompanhado pela sua fiel esposa Rosa. Porém, quando eles chegam, o padre local recusa a cruz de Zé, considerando-o como um pagão. A partir disso, a história começa a se estender ao conflito de religiões. No olhar de Zé, a sua promessa pode e deve ser cumprida da sua forma, porém no olhar do padre, é totalmente uma profanação de Deus. Neste sentido, contudo, não há certo ou errado. O escritor adiciona outras personagens ao lado do padre para dar ênfase à solidão de Zé. Por exemplo, um jornalista vem procurando notícias, reportando a promessa de Zé dar a sua terra aos pobres como a reforma agrária. Essa cena parece ridícula mas bem reflete a realidade social. Pense como funciona a mídia na sociedade. Será que não existem muitas mentiras na mídia para atrair atenção do povo? Esta é uma das melhores cenas da história, levando em conta o exagerado comportamento da jornalista e o efeito da ironia. Além disso, a polícia que também vem prevenir a entrada de Zé na igreja, revela a outra escuridão que contribui para a tragédia de Zé. Finalmente, Zé acaba morrendo num confronto violento entre a polícia e manifestantes a seu favor. A última cena é que Rosa coloca o corpo morto de Zé em cima da cruz com a ajuda dos manifestantes e eles entram na igreja e realiza a promessa de Zé. Sem contar a sua esposa Rosa, que é a personagem mais contraditória da peça, pois ela tem uma relação sexual com Bonitão, mesmo que seja Bonitão que a atraia, e que no fim ela volte para Zé, o leitor fica sem saber em qual lado é melhor que ela fique. Mas essa é a uma perfeita resposta da humanidade, que é sempre cheia de contradições.

Dias Gomes é um dos autores mais importantes na literatura brasileira e nas suas obras sempre se encontram o seu pensamento das questões contemporâneas e políticas. Ele nasceu em 1922, em Salvador, Bahia e aos 15 anos, escreveu sua primeira peça,“A Comédia dos Moralistas”, que venceu o prêmio do Serviço Nacional de Teatro.

Encenado em 1960, “O Pagador de Promessas” foi um enorme sucesso de público e crítica. Dois anos depois, a adaptação para o cinema ganhou a Palma de Ouro no Festival de Cannes, entre outros prêmios.**

* Estudante do PPE. Chinesa

* *informações do site:http://www.opagadordepromessas.com.br/§

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: